Resenha|Amor verdadeiro na livraria dos corações solitários #2 – Annie Darling

amor verdadeiro na livraria dos corações solitários, resenha, blog, beleza de livros, eu amo ler, indicações de livros, eu leio, ressaca literária, séries, romance, beleza de livros

                                                                 Sinopse

amor verdadeiro na livraria dos corações solitários, resenha, blog, beleza de livros, eu amo ler, indicações de livros, eu leio, ressaca literária, séries, romance, beleza de livros

É uma verdade universalmente conhecida que uma mulher solteira, em posse de um bom emprego, quatro irmãs mandonas e um gato carente, deve estar em busca do seu verdadeiro amor. Será?

Verity Love ― fã de carteirinha de Jane Austen e uma introvertida em um mundo de extrovertidos ― está perfeitamente feliz sozinha, muito obrigada. E seu namorado fictício, Peter Hardy, é muito útil para ajudá-la a escapar de eventos sociais indesejados. Mas, quando um mal-entendido a obriga a apresentar um total estranho como namorado para suas amigas, a vida de Verity de repente se torna muito mais complicada.

Uma namorada fictícia também pode ser bem útil para Johnny. Indo contra todos os instintos de Verity, ela se deixa convencer a fazer uma parceria com ele para um único verão recheado de casamentos, aniversários e festas no jardim, com apenas uma promessa: não se apaixonarem um pelo outro. Mas isso não tem nem chance de acontecer, pois Verity jurou nunca mais ter um namorado, e o coração de Johnny já tem dona…


Olá gente!!! Como vocês estão? Tudo beleza?

Quem conheceu a Verity Love na pequena livraria dos corações solitários, imaginava que o famoso namorado de quem tanto falava era falso. Pois é isso mesmo! Ela inventou um namorado fictício para suas amigas pararem de importuná-la e para fugir de eventos sociais. Ela é uma introvertida que gosta de escutar as pessoas, ouvir o barulho da cidade, mas não gosta de ser o centro da atenção desse núcleo.

Sua vida mudará drasticamente quando um dia suas amigas Nina e Posy a seguirem até o restaurante, pensando que ela se encontrará com Peter Hardy. O namorado imaginário e perfeito que idealizou para elas. Assim que notar a presença de suas amigas ela imediatamente se desesperará e irá sentar ao lado do primeiro cara que ela olhar no restaurante. E quem é esse? Ele é simplesmente lindo, com um azul estonteante nas íris, embora estivesse com certo olhar frio para ela.

“Nenhuma tatuagem perceptível no pescoço, não estava vestindo nada horrível, só uma camisa branca simples sob um blusão de um tom semelhante ao azul – esverdeado de seus olhos espantados. Ele vai servir, Verity decidiu. Assim, na emergência, ele vai servir”.

O nome dele é Johnny,  arquiteto, lindo, não tem namorada. Algo não está certo né galera? Ele não é gay, por incrível que pareça. Ele simplesmente ama outra mulher, que segundo ele é um amor impossível. Eu imaginei que essa mulher era apenas invenção para ele se encontrar novamente com Verity, porém, eu estava redondamente enganada. Eles armam um acordo para irem juntos aos eventos sociais, as festas com amigos, enfim, seriam apenas amigos e nada mais. A condição é que Verity não se apaixone por ele, e vice versa. Então está tudo certo. Verity prometeu não amar mais ninguém depois de seu último namorado e Johnny, apesar de possuir característica perfeitas, ama outra mulher.

“Johnny endireitou o corpo e presenteou Verity com um sorriso mais devastador do que qualquer outro de seus sorrisos anteriores. Ela ficou até um pouco tonta”.

Os dois apresentarão o seu parceiro a suas famílias, claro, como amigos. Porém, todos pensarão que eles estão saindo e dará uma maior força para isso. Principalmente os amigos e familiares de Johnny, isso porque todos querem que ele pare de pensar nessa mulher que ele ama e fique com Verity.

amor verdadeiro na livraria dos corações solitários, resenha, blog, beleza de livros, eu amo ler, indicações de livros, eu leio, ressaca literária, séries, romance, beleza de livros

Depois de Verity descobrir quem é a mulher, ele falará bastante dela com um toque de drama que instantaneamente me deu uma crise de raiva. A mulher que ele ama é uma antiga namorada que se casou com o melhor amigo dele. Ele a ama, ela diz que o ama mais continua casada. É como um jogo, ela sabe que Johnny sempre estará aos seus pés, porque ele é louco por ela.

“Ele não olhou para outra mulher desde que ela se foi, dez anos atrás. Nem ia querer, porque ninguém estaria a altura dela. E eu puxei ao meu pai; me apaixonei pela Marissa todos esses anos atrás e nenhuma outra mulher vai conseguir tomar o lugar dela”.

Apesar de todos os motivos para Verity não se relacionar com ninguém, ela se apaixonará por Johnny. Uma das regras era ela não se apaixonar por ele. O coração dele já tem dona, e digamos que ele é um pouco obcecado por aquela mulher que representa, o amor colegial de tantos anos atrás, que ele não deixa no passado. E será nesse impasse de amor impossível e bastante drama que enlouquecerá o leitor.

Uma obra deliciosa e empolgante, composta por reviravoltas e um toque especial com frases da Jane Austen. Uma história irresistível  que nos instiga a torcer por um casal, onde ambos não acreditam que suas vidas amorosas possa incluir um final feliz. Super Recomendo!

“É por isso que somos apenas amigos. Eu jamais poderia amar um homem que não ama Orgulho e preconceito”.

Resenha|P.s.: Ainda amo você – Jenny Han

                          Sinopse

20190609_110251

Lara Jean sempre teve uma vida amorosa muito movimentada, pelo menos na cabeça dela. Para cada garoto por quem se apaixonou e desapaixonou platonicamente, ela escreveu uma bela carta de despedida. Cartas muito dela, muito pessoais, que de repente e sem explicação foram parar nas mãos dos destinatários.

Em Para todos os garotos que já amei, Lara Jean não fazia ideia de como sair dessa enrascada, muito menos sabia que o namoro de mentirinha com Peter Kavinsky, inventado apenas para fugir do total constrangimento, se transformaria em algo mais.

Agora, em P.S.: Ainda amo você, Lara Jean tem que aprender como é estar em um relacionamento que, pela primeira vez, não é de faz de conta. E quando ela parece estar conseguindo, um garoto do passado cai de paraquedas bem no meio de tudo, e os sentimentos de Lara por ele também retornam. Uma história delicada e comovente que vai mostrar que se apaixonar é a parte fácil: emocionante mesmo é o que vem depois.


Olá leitores do meu coração! Como vocês estão? Tudo beleza?

O livro P.s ainda amo você é o segundo livro da trilogia para todos os garotos que já amei, onde nos continuamos conhecendo um pouco mais da história de Lara Jean e Peter Kavinsky, aquele casal que arrebatou os nossos corações e nos deixou eufóricos por uma continuação. 

Lara Jean e Peter Kavinsky resolvem dar mais chance ao seu relacionamento depois da forma invertida que as coisas começaram ao se conhecerem e para isso porque não fazerem outro contrato para tudo funcionar de forma perfeita e deslumbrantemente bela, não é mesmo? Tudo ficaria bem, caso o vídeo de Lara Jean e Peter no ofurô fosse colocado na internet e toda a escola fizessem piadinhas e insinuações grotescas sobre algo que não passava de um beijo caliente.

“Dou um sorriso de alívio e escrevo no papel: Lara Jean e Peter não vão partir o coração um do outro”.

A autora abordou esses tema com bastante cuidado onde nós podemos sentir na pele o machismo e preconceito onde Lara Jean foi vítima, porque no vídeo não está somente Lara Jean e sim acompanhada de Peter, mas o lado sempre fica pior para o lado da mulher, o homem sempre é considerado um garanhão, o pegador não é mesmo? 

“Ah, meu Deus. Agora tenho que me sentar para jantar e olhar para o meu pai, sabendo que esse vídeo existe. Essa não pode ser a minha vida”.

P.S ainda amo você, Jenny Han, trilogia, eu amo ler, leitura, indicações de livros, beleza de livros, blog, resenhas

Claro que Kitty e Margot irmãs de Lara Jean ajudam ela a passar por tudo isso, afinal, elas como irmãs songs que são, sempre ajudam umas as outras. Além desse vídeo ter viralizado na internet Lara Jean precisa lidar com o fato do seu namorado ainda possuir certa ligação com a ex namorada Genevieve sua ex amiga de infância, o que sério, me deixou com os cabelos e emoções a flor a pele e roer o restinho de unhas que ainda tenho, afinal, como pode ele continuar sendo amigo de uma pessoa que odeia sua própria namorada?

“Eu posso já tê-la conhecido, mas não conheço mais. É Peter quem a conhece melhor agora. Além do mais, não é assim que se perde um namorado? Agindo como uma paranóica ciumenta e insegura?

Caso eu visse o Peter pessoalmente eu ia sacudir ele e cantar a música da Naiara Azevedo, ex é ex, passado é passado…kkkk, brincadeiras a parte, eu realmente fiquei com raiva do Peter, sinceramente. A autora também abordou temas como inseguranças no livro, aquela insegurança que os adolescentes tem em lidar com os seus relacionamentos e muita das vezes a gente consegue se identificar neles e pensar eu também já senti isso.

“Lara Jean, só se lembre de uma coisa: A garota sempre deve controlar até onde as coisas vão. Os garotos pensam com o você-sabe-o-quê. Depende de você manter a cabeça no lugar e proteger o que é seu”.

Essa sequência do livro é maravilhosamente perfeita e considero melhor do que o primeiro, a história ficará mais ainda apaixonante quando uma pessoa do passado de Lara Jean aparecer e deixá-la bastante indecisa em certas questões. Lara Jean e Peter, juntos em uma sincronia intensa e arrebatadora lutam para descobrir como dar continuidade a um relacionamento que começou de cabeça para baixo.

P.S ainda amo você, Jenny Han, trilogia, eu amo ler, leitura, indicações de livros, beleza de livros, blog, resenhas

Eu super recomendo esse livro e já digo, se preparem! Você vai ficar ansioso(a) por mais um pouco e absorto em cada letra, linha e página. E gente, eu queria guardar a família toda de Lara Jean em um pote e ficar olhando o dia todo, eles são perfeitos e a irmã menor a Kitty é uma pentelha admirável, que também podemos considerar protagonista, afinal, ela faz parte do início de tudo.

“Ela cresceu como uma erva daninha, sem mãe, só duas irmãs e um pai. Não é pouca coisa. É extraordinário”.

P.s: Vocês sabiam que na Cultura Coreana quando você faz reverências para os mais velhos e lhes deseja sorte no ano novo, ele dão dinheiro em troca? (Deveria ser assim no Brasil kkk, seria o máximo!!!)

Resenha|O acordo – Elle Kennedy (Amores improváveis #1)

Sinopse

Tocante, profundo, engraçado, sexy… ”O Acordo” é um romance que vai te encantar e surpreender a cada página.

o acordo, amores improváveis, elle kennedy, beleza de livros, eu amo ler, livros, blog, best seller, books, romance, séries, resenhasHannah Wells finalmente encontrou alguém que a interessasse. Mas, embora seja autoconfiante em vários outros aspectos da vida, carrega nas costas uma bagagem e tanto quando o assunto é sexo e sedução. Não vai ter jeito: ela vai ter que sair da zona de conforto Mesmo que isso signifique dar aulas particulares para o infantil, irritante e convencido capitão do time de hóquei, em troca de um encontro de mentirinha.

Tudo o que Garrett Graham quer é se formar para poder jogar hóquei profissional. Mas suas notas cada vez mais baixas estão ameaçando arruinar tudo aquilo pelo qual tanto se dedicou. Se ajudar uma garota linda e sarcástica a fazer ciúmes em outro cara puder garantir sua vaga no time, ele topa. Mas o que era apenas uma troca de favores entre dois opostos acaba se tornando uma amizade inesperada. Até que um beijo faz com que Hannah e Garret precisem repensar os termos de seu acordo.


O acordo é o primeiro livro da série amores improváveis que impactou todas as minhas estruturas e superou todas as minhas expectativas. Eu amo um romance. Sabe aquele livro que você lê a sinopse e pensa “cara, esse é bom, eu queroooo, eu necessitoooo”, foi exatamente dessa forma. Nós conhecemos Hannah Wells, uma garota muito inteligente que possui uma paixão por um de seus colegas de classe Justin Kohl.

“Justin Kohl se demora perto da porta para falar com alguém, e meu olhar se fecha sobre ele como um míssel teleguiado. Lindo”.

Justin é jogador de futebol americano, famosinho na sua escola, é lindo, humilde, não anda agarrado com as meninas, enfim… exceto a beleza, na opinião de Hannah  ele é o oposto de Garrett Graham. Um cara lindo que é jogador de Hóquei, igual ao  pai super famoso que muitos de seus amigos de classe idolatram.

Hannah nunca imaginaria em toda sua vida que um dia Garrett, o cara popular da escola, capitão do time de Hóquei que vive agarrado com várias meninas, e consegue tudo o que quer, ao ver sua prova e notar que ela tirou 10 em uma matéria que ele precisa estudar urgentemente para sua média não cair e continuar jogando Hóquei, iria pedir aulas particulares. Isso mesmo, só que Hannah não aceitará. A resposta de Hannah será imediatamente não, porque primeiro, ela está se preparando para um campeonato de música então está com muito trabalho, e segundo, ela não planeja se misturar com pessoas da estirpe dele.

“Garrett nota o meu olhar surpreso e arqueia as sobrancelhas novamente. ” Aprendi um monte de coisas sobre você no grupo de estudos. Seu telefone, seu nome completo, até onde você trabalha”.

Parabéns, você é mesmo um psicopata”.

O que Hannah não imagina é que Garrett insistirá muito, até descobrir que ela está apaixonda por Justin, um de seus colegas. Então irá propor um acordo, ela ajuda ele com as aulas particulares, e ele finge que é seu namorado para ela se aproximar de Justin, ficando no mesmo núcleo social.

Durante suas aulas com Garrett, será completamente impossível Hannah não acabar gostando do cara, como amigo óbvio. Será muito divertido ver a amizade surgir entre eles. Os dois serão como melhores amigos que estarão sempre juntos, dividindo confidências e se aproximando a cada vez mais. Hannah perceberá que Garrett não é o cara idiota com excesso de estrelismo e burro que imaginava, ao contrário, cada vez que eles se aproximar a amizade deles ficará mais intensa. 

o acordo, elle kennedy, beleza de livros, blog, amores improváveis, resenha, eu amo ler, blog, livros, books, séries, editora paralela

Será bastante diferente para Garrett entrar em seu quarto e ver Hannah em sua cama assistindo a um episódio de uma série, ao invés, dele estar se agarrando com ela, o que faria caso não fosse sua “professora” e na sua perspectiva sua amiga. 

“Hum…O que você quer ouvir?”

“Qualquer coisa. Não me importo”. Fico espantada com a intensidade da sua voz, a emoção brilhando naqueles olhos cinzentos. ” Só preciso ouvir você cantando de novo”.

Apesar de começar a surgir um clima entre os dois, ambos, não querem que fique um clima ruim e acabem se afastando. Eles precisam se lembrar que Hannah é  apenas sua amiga, algo que nunca teve do sexo feminino e Garrett além de seu amigo é seu namorado fictício.

“Não achei que a nossa farsa fosse resultar em alguma coisa com a qual eu precisasse me preocupar mas, evidentemente, meu plano está funcionando muito bem. Kohl só tem olhos para Hannah, e não gosto disso. Nem um pouco”.

Só que um acontecimento do passado de Hannah fará com que eles se aproximem, e que de amigos passem para namorados. Os dois possuem feridas que apesar de serem velhas, não cicatrizaram, e juntos serão capazes de curar um ao outro, mesmo que o destino faça de tudo para separá-los. 

o acordo, elle kennedy, beleza de livros, blog, amores improváveis, resenha, eu amo ler, blog, livros, books, séries, editora paralelaEsse livro é maravilhoso, com certeza eu indico e posso ler mais dez vezes que minha resposta seria a mesma. Todos os amigos de Garrett possuem suas próprias histórias que fazem parte dessa saga apaixonante e espero encontrar esses personagens nos próximos livros. A autora soube abordar um tema muito delicado que serve para todos os jovens ficarem mais alertas, leiam. Nós somos envolvidos em um enredo que possui muita música, cenas divertidas, bastante humor com um gostinho de quero mais. Enfim, o amor pode existir até mesmo nos casos mais improváveis.

“Tenho um perfil ideal no que diz respeito a rapazes. Calmo, sério, temperamental. Criativo, se eu tiver sorte. Tocar um instrumento é sempre uma vantagem. Inteligente. Sarcástico, mas não de um jeito depreciativo. Sem medo de mostrar suas emoções. Alguém que me faça sentir…paz”.