Resenha|Fuck Love (Louco Amor) – Tarryn Fisher

                                                                                     Sinopse

fuck love, tarryn fisher, louco amor, beleza de livros, resenha, belezadelivros, mylena fernanda, faro editorialHelena Conway se apaixonou.

Contra sua vontade. Perdidamente. Mas não sem motivo.

Kit Isley é o oposto dela – desencanado, espontâneo, alguém diferente de todos os homens que conheceu.

Ele parece o seu complemento. Poderia ser tão perfeito… se Kit não fosse o namorado da sua melhor amiga.

Helena deve desafiar seu coração, fazer a coisa certa e pensar nos outros. Mas ela não o faz…

“Tentar se afastar da pessoa amada é como tentar se afogar. Você decide fugir da vida, pulando na água, mas vai contra a natureza não buscar o ar. Seu corpo clama por oxigênio; sua mente insiste que você precisa de ar. Então você acaba subindo à superfície, arfando, incapaz de negar a si mesma essa necessidade básica de ar. De amor. De desejo ardente.”

Você pode pensar que já viu histórias parecidas, mas nunca tão genuínas como essa. Tarryn, a escritora apaixonada por personagens reais, heroínas imperfeitas, mais uma vez entrega algo forte, pulsante, que nos faz sofrer mas também nos vicia. Depois dela, todas as outras histórias começam a parecer como contos de fadas.

Se você não quer se viciar, não leia a primeira página.


Olá leitores lindos e maravilhosos! Tudo beleza com vocês? Eu estou pensativa depois de finalizar a leitura de Fuck Love, obra de Tarryn Fisher, uma autora que ou você ama ou odeia. Se bem que ás vezes, você pode sentir os dois kkkk. Ela tem o grande talento de criar personagens reais até demais e situações que você pensa ” Cara que loucura! Isso pode acontecer comigo!

Fuck Love não é diferente, afinal, imagina se você se apaixonasse perdidamente pelo namorado da sua melhor amiga. O que você faria? Helena Conway fica desesperada a notar que sente alguma coisa por Kity Isley após um sonho louco onde eram casados, possuíam família e eram muito felizes. Agora o que ela faz se tudo isso não se passou de um sonho? Tudo que era para ficar apenas na sua cabeça, ela passa a sentir toda vez que estão perto dele, mas seria pior se ele sentisse o mesmo não concordam?

“Depois que ele se vai, olho-me no espelho e percebo que há ovo em meu cabelo. Como se não bastasse, constato que não estou tão gata quanto imaginava. Nem perto disso, aliás”.

Helena é uma personagem desastrada e um pouco atrapalhada mas que me divertiu bastante, a autora soube desenvolver a história de forma que não pensássemos “ela está traindo a amiga”, até porque nada acontece até que os pontos do “I” tenham se ajustado. Momentos especiais que Kity  passar com Helena fará ele olhar para ela com outros olhos, mas o que ele pode fazer se ela é melhor amiga da sua namorada né.

“Percebo que estou vulnerável, e quase sempre me sinto como uma mulher insignificante -alguém que um homem pode trair e depois alegar que cometeu um erro. Não quero ser ” a garota que deixou o cara”, quero ser “a garota que o cara jamais deixaria ir embora”.

fuck love, louco amor, beleza de livros, resenhas, mylena fernanda, editora faro editorial, tarryn fisher, belezadelivros

Kity é um cara que me tirou do sério ao longo da leitura, eu percebia que ele gostava de Helena, mas não admitia os seus sentimentos. Eu fiquei com muita raiva dele, mas entendia que ele não queria magoar sua namorada Della. O pior de tudo isso, foi a própria namorada perceber a atração mútua existente entre eles, mas não querer perdê-lo. Isso me lembra tantos relacionamentos abusivos onde a pessoa faz até o inimaginável para não perder o cara que ama.

“Esse é o lado ruim de ser jovem. Você não faz ideia de todas as mudanças que estão por vir. E quando elas enfim, chegam, não importa o quanto as pessoas o tenham avisado, você de fato fica surpreso”.

Helena considera mais importante sua amizade com Della do que ficar com Kitty, e isso é lindo, colocar os amigos em primeiro lugar, mas nem sempre o que queremos é o que será. O que fazer quando se ama o namorado da sua melhor amiga, e seu próprio namorado a traiu de maneira sórdida. O melhor a dizer é Foda-se o amor!

“Se pudessem ver o que se passa no meu coração, elas entenderiam o motivo da minha maquiagem estar toda borrada”.

Tarryn Fisher arrasou e arrebatou o meu coração criando personagens tão reais que sinto que eles existem. Essa diva abordou temas como família, amizade, juventude e relacionamentos de uma maneira que cativou minha total atenção. Esse livro me ensinou que ás vezes você pode pensar todo um futuro, formar uma casa com muitos tijolinhos, mas isso também pode ser destruído e a vida pode fazer outros planos para você. Recomendo!

“Eu deveria mostrar lealdade a ela, afinal, as amigas devem vir em primeiro lugar. Mas será que essas regras sagradas conseguem sobreviver a realidade?”.

 

Resenha|Até você chegar – Judith McNaught

                                                                            Sinopse

judith mcnaught, livro até você chegar, resenhas, beleza de livros, eu amo ler, dinastia westmoreland

Professora em uma escola para damas da alta sociedade, Sheridan Bromleigh é contratada para acompanhar uma das estudantes, Charise Lancaster, até a Inglaterra, onde encontrará seu noivo. Quando a jovem sob sua responsabilidade foge com um estranho, Sheridan questiona-se como explicará isso ao pretendente, Lorde Burleton.
Stephen Westmoreland, o Conde de Langford, presume que a jovem vindo em sua direção é Charise Lancaster, e a informa sobre sua participação no acidente fatal envolvendo Lorde Burleton na noite anterior. No momento em que iria explicar o mal-entendido, Sheridan também sofre um acidente e fica inconsciente.
Ela acorda na mansão de Westmoreland, sem lembrar quem é. A única pista sobre seu passado é o estranho fato de todos a chamarem de miss Lancaster. Tudo o que ela realmente sabe é que está apaixonada por um belo conde inglês, e que sua vida está repleta de maravilhosas possibilidades…


Olá queridos leitores do meu coração! Tudo beleza com vocês?

Sheridan é uma personagem bem romântica que acredita no príncipe maravilhoso que vai se declarar para ela um dia, mas é claro que ela mantém essas fantasias apenas na sua cabeça. Ela trabalha como professora para ajudar damas a se portarem da melhor forma, e sua vida mudará drasticamente quando em uma viagem for acompanhar Charise Lancaster, uma garota mimada que sempre faz o que quer, até mesmo fugir com outro homem exatamente no caminho da viagem que ela e sua professora faria para conhecer o futuro marido de Charise, e em seguida se casar. Agora o que Sheridan vai fazer se a noiva do Barão Burleton fugiu? E ainda por cima, com outro!

“O conde vi o perigo e correu para ela mas já era tarde: A rede se rompeu de vez, e o caixote bateu na cabeça de Sheridan, derrubando-a de bruços sobre o cais”

O que poderia ficar pior, do que ficar sem emprego e sem referências? Claro que seria ela perder a memória e pior, não saber nem mesmo o seu próprio nome. Foi exatamente isso que aconteceu com Sheridan. Ela não sabe o próprio nome, nem se lembra da sua vida, assim que acorda em uma casa, sendo cuidada por um médico e por um conde muito bonito que fizera questão de demonstrar que era o seu noivo. Como ela poderia duvidar que não era, quando suas ações demonstrava o contrário não é mesmo?

O conde Stephen Westmoreland só queria avisar a viúva que matou o marido dela acidentalmente quando de repente um caixote solta da rede no cais, e derruba  a “suposta” noiva do barão no chão provocando um acidente cerebral a ponto de deixá-la sem memória. Agora ele só precisa ajuda-la a encontrar outro noivo e deixá-la bem amparada, já que ele foi o culpado por matar o “amor” da vida dela.

“Tinha muito sorte, pois seu noivo não só era um lindo homem, como também parecia ser muito rico. Uma vez que ficara com ela a noite inteira, dormindo naquela desconfortável posição sem largar a mão, devia amá-la de verdade”.

livro judith mcnaught, até você chegar, beleza de livros, resenha

Mas nem tudo será como o planejado e ele fará de tudo para não desejar aquela mulher, que ele tirou de outro homem, destruindo sua vida, claro que ele imagina, que ela apenas se lembrará quando recuperará a memória. Será uma história onde misturará intrigas, meias verdades e relapsos da antiga vida de Sheridan que deixará o leitor ansiando pelo “Grand Finale” que ela descobrirá que não é Charise.

“Aquilo era um beijo, compreendeu ela. Era um beijo, e Stephan percebeu que Sherry sabia disso, que sentia o beijo. Sem que percebesse o que fazia, sua mão moveu-se e procurou a dele, como no dia em que recuperara a consciência”.

Judith McNaught é um autora incrivelmente talentosa, e faz questão de deixar nós leitores obcecados pela história e pelos personagens. A história nos deixa sem fôlego, sem ar… Stephen é um personagem que nos deixa louca e depois nos traz a lucidez. Eu fiquei com vontade de gritar e bater nele, até entender depois que não tinha como bater “fisicamente falando kkkk”, mas ele nos tira do sério. Sheridan é uma personagem forte que soube lutar por aquilo que queria e me surpreendeu muito. 

Até você chegar é um livro feito para nós leitores chorar, gritar e ansiar por uma continuação. Eu amei conhecer a história de Stephen e Sheridan, e apesar dos maus bocados, eu fiquei imensamente feliz de conhecer personagens tão distintos que se conheceram devido a um encontro bem improvável. Eu com certeza recomendo.

“Não permitiria que aqueles convencidos aristocratas ingleses a torturassem por causa de um doentio desejo de vingança”.

Resenha|Um cavalheiro a bordo – Julia Quinn (Os Rokesbys #3)

                                                               Sinopse

um cavalheiro a bordo, julia quinn, beleza de livros

Ela estava no lugar errado…

Durante um passeio pela costa, a independente e aventureira Poppy Bridgerton fica agradavelmente surpresa ao descobrir um esconderijo de contrabandistas dentro de uma caverna.

Mas seu deleite se transforma em desespero quando dois piratas a sequestram e a levam a bordo de seu navio, deixando-a amarrada e amordaçada na cama do capitão.

Ele a encontrou na hora errada…

Conhecido entre a alta sociedade como um cafajeste e um corsário inconsequente, o capitão Andrew James Rokesby na verdade transporta bens e documentos para o governo britânico. No meio de uma viagem, ele fica assombrado ao encontrar uma mulher na sua cabine. Sem duvida sua imaginaçao esta lhe pregando pecas. Mas, não, ela e bastante real – e sua missao para com a Coroa o deixa preso a ela.

Sera que dois erros podem acabar no acerto mais maravilhoso de todos?

Quando Andrew descobre que Poppy e uma Bridgerton, entende que provavelmente terá que se casar com ela para evitar um escândalo. Em alto-mar, as disputas verbais entre os dois logo dão lugar a uma inebriante paixão. Mas depois que o segredo de Andrew for revelado, sera que ele conseguira conquistar o coração dela?


Olá leitores lindos! Como vocês estão, tudo beleza?

Um cavalheiro a bordo é o terceiro livro lançado pela Julia Quinn da linhagem Os Rokesbys, onde nós tivemos o prazer de conhecer a história do sarcástico e muitas das vezes considerado inconsequente, Andrew. Uma história intercalada pelo ponto de vista tanto de Andrew quanto de Poppy, que nem imaginaria que pudesse conhecê-lo de uma maneira tão surpresa quanto inusitada.

Todos nós sabemos que a Família dos Rokesbys e dos Bridgertons  sempre foram muito próximas e que  ambas famílias ficariam muito felizes se um se apaixonasse pelo outro e a união fosse pelo sangue. Poppy fica irritada e querendo matar alguém quando ao descobrir uma caverna que não seria vista por qualquer um, caso Poppy não fosse tão curiosa, ser encontrada, amarrada, colocada em um saco e jogada na cama de uma pessoa que ela nunca viu, e ainda por cima dentro de um navio que já estava zarpando.

“Andrew era o comandante inquestionável do navio e não havia a bordo um único homem que se atrevesse a contrariar uma ordem dele – também não havia a bordo um único homem que quisesse contrariá-lo”.

Ao descobrir uma mulher jogada em sua cama, na sua cabine, tudo o que Andrew faz é pedir explicações aos seus homens que trabalhavam em sua tripulação e de uma coisa Andrew tem certeza, não pode deixá-la voltar pois a caverna que ela descobriu tem certas coisas que não podem ser encontradas já que faz parte do trabalho que presta a coroa.

Andrew percebe que a única maneira dela não contar nada a ninguém é deixá-la viajar com eles por duas semanas e depois na volta tirassem tudo que colocaram naquela caverna e enviassem para outro lugar. Será uma semana divertida com respostas atrevidas e espirituosas com questões filosóficas onde somente um entende o outro, claro que só vão perceber isso com o tempo.

“Ela o encarou, sustentado o olhar. Estava fazendo questão de se mostrar tão blasé quanto ele. E, se não conseguisse, morreria tentando”.

A situação em que se encontravam até poderia ser melhor, caso Andrew não soubesse que ela era uma Bridgerton, ou seja, caso fosse descoberto que estavam zarpando em um navio praticamente sozinhos e a tanto tempo, na certa seria obrigado a se casar com ela. Um ponto ao seu favor: Ela não sabe que ele é um Rokesbys.

um cavalheiro a bordo, os rokesbys, eu amo ler, livros, resenha, beleza de livros

Esse livro também nos faz refletir sobre tamanho conhecimento que somente os homens tinham o direito de adquirir como fazer faculdade e as mulheres não, o que me fez pensar no que Poppy disse no livro, com certeza, se as mulheres tivessem esse direito seriam mais inteligentes e possuiriam mais poder que os homens, o que naquela época era inaceitável.

“À noite. Com certeza. Ele não iria voltar, de jeito nenhum, para ver como ela estava. Definitivamente, não”.

Andrew começa a perceber que não consegue ficar muito tempo longe de Poppy e arranja qualquer desculpa apenas para ficar perto dela, conversando e ouvindo suas respostas que poucas pessoas conseguem competir com ele no quesito respostas rápidas e certeiras.  

“Ela riu outra vez chegando mesmo a tombar a cabeça para trás com a gargalhada. Andrew estava enfeitiçado. Já a achava bonita, mas, naquele momento ela transbordava algo muito, muito além da beleza”.

Um cavalheiro a bordo é um livro surpreendente que ao darmos início zarparmos junto com os personagens ouvindo um som de mar, sentindo a brisa no rosto e iniciando uma história que promete, afinal é da Julia Quinn. Andrew e Poppy são personagens inquestionavelmente irritantes, maravilhosos e muito inteligentes que atiçam a curiosidade do leitor para saber mais e aprender sobre questões que geralmente não pensamos. Os dois personagens lidarão com  situações bem complexas e ainda tem o fato de Poppy não saber que Andrew é um Rokesbys. Eu com certeza indico esse livro e já sinto saudades dos meus impetuosos personagens.

“Se fizesse uma pergunta boba talvez ele até risse, mas nunca dela. Andrew ria porque a curiosidade dela o alegrava”.