Resenha|Encontrada #2- Carina Rissi

                                                                Sinopse

carina rissi

Sofia está de volta ao século dezenove e mais que animada para começar a viver o seu final feliz ao lado de Ian Clarke. No entanto, em meio à loucura dos preparativos para o casamento, ela percebe que se tornar a sra. Clarke não vai ser tão simples quanto imaginava.

As confusões encontram a garota antes mesmo de ela chegar ao altar — e uma tia intrometida que quer atrapalhar o relacionamento é apenas uma delas. Além disso, coisas estranhas estão acontecendo na vila. Ian parece estar enfrentando alguns problemas que prefere não dividir com a noiva.

Decidida, Sofia fará o que estiver ao seu alcance para ajudar o homem que ama. Ela não está disposta a permitir que nada nem ninguém atrapalhe seu futuro. Porém suas ações podem pôr tudo a perder, e Sofia descobre que a única pessoa capaz de destruir seu felizes para sempre é ela própria.


Olá queridos leitores! Tudo beleza?

Finalizei a leitura do segundo livro da série perdida, lembrando que a série é composta por cinco livros. Quem ainda não leu o primeiro livro, eu não recomendo que pule direto para esse, pois o primeiro é muito especial. A origem de tudo isso.

Depois de Sophia voltar para o século dezenove e para o amor da sua vida ela começa a entender como deverá ser sua vida agindo e sendo a sra. Clarke. O primeiro livro foca tanto na questão dela tentar voltar a sua metrópole, que a gente nem pensa direito em como seria a vida da Sophia naquele século.

O fato de Sophia ser do século vinte um e do Ian ser do século dezenove coopera bastante para que algumas situações sejam entendidas do modo errado, ou simplesmente pela ignorância em determinado assunto se transformar em um belo desastre. E olha! Sophia se mete em cada uma que quando eu falo vai dar m****, acaba dando kkk.

“Duvido que qualquer cavalheiro que eu conheço tenha a sorte de se casar com alguém que dá sentido à palavra “monotonia”. E é preciso muito mais do que uma simples guerra de rolhas para que eu desista de você senhorita”.

Os dois continuam o mesmo casal que se ama perdidamente, mas Ian está escondendo alguma coisa de Sophia e quando Sophia percebe ela tenta ajudar, mas se enrola em algo que no século de Ian jamais poderia acontecer. Quando a gente descobre o que Ian estava escondendo de Sophia, é considerado ínfimo ao que Sophia escondeu dele.

20191218_110248.jpg

Quando a gente pensa que os felizes para sempre está se aproximando, é quando Ian descobre, é aí amigos, só lendo o livro para descobrir. Uma coisa é certa a pessoa que podia acabar com o Felizes para sempre, era a mais preocupada com isso, Sophia Alonzo. Em meio a segredos, casamentos, brigas, bailes, cetins, vestidos, e um enredo irresistível, você acaba navegando em uma história espetacular onde você torce pelo final feliz.

Ian me beijou. E o jeito como ele me segurou, a maneira como sua boca dominou a minha, foi assustador. Era como se ele não fosse me ver nunca mais, como se estivesse prestes a me perder, e isso o destruía”.

Apesar de Sophia ter escolhido viver naquele século com Ian, ela precisa entender que nem tudo é, como era no século vinte um. Muitas coisas não são permitidas e talvés ela precise mudar para tentar se adaptar aquela época. Mas se ela mudar, ela não será ela mesma, vocês não concordam?

Encontrada é um livro que parece um conto de fadas, a gente luta pelo “Felizes para sempre” se apaixona ainda mais pelo casal, e assim como Sophia, tenta se adaptar a uma nova realidade. Eu amei, espero que gostem assim como eu. Recomendo.

“Ele soltou um suspiro cansado conforme entrávamos e, enquanto eu o observava pelo canto do olho, entendi que, ao contrário do que diziam os contos de fadas, um beijo não faria tudo se acertar”.

Resenha|Perdida – Carina Rissi

                                                                    Sinopse

livro perdida, carina rissi, resenha, beleza de livrosSofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam.

Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa – ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo – e lindo – Ian Clarke,

Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos…

Perdida é uma história apaixonante com um ritmo intenso, que vai fazer você devorar até a última página.


Primeiro eu quero dizer que não é a primeira vez que eu leio esse livro. Eu li a dois anos atras enquanto eu buscava uma leitura que me tirasse a noção do tempo, e me fizesse chorar de alegria por ter encontrado a história mais encantadora da vida. Foi assim que eu conheci a escrita Carina Rissi, e eu já digo, essa autora sabe escrever, sabe te tirar do chão e até mesmo fazer você implorar em seu direct por uma continuação. Acha exagero? Acredite, não é!

Sophia Alonzo é uma mulher muito ligada a tecnologia e ama as coisas que o  século vinte um proporciona, mas sua vida muda radicalmente quando é transportada através de um aparelho celular para o século dezenove. Eu li isso em uma resenha antes de ler o livro e pensei “Que máximo!” e foi por isso que decidi conhecer essa história.

“Olhei freneticamente em todas as direções e não havia nada ali. Nada! As pessoas, a cidade, tudo havia mudado!”.

O que você faria se visse o seu mundo diferente, carruagens passando, um homem em cima de CAVALO perguntando de forma bem “estranha” se você estava bem, enquanto você não tem ideia do que aconteceu nos últimos minutos. Simplesmente tudo sumiu!

A mulher que vendeu o celular para Sophia fez isso de propósito para que ela descobrisse a si mesma, mas em outra época, onde tudo que ela mais amava não existia mais. O homem que ajuda Sophia se chama Ian Clark e perante aos seus olhos a mulher foi assaltada por isso, ela usa aquela saia curta que ele considera estar nua em sua época. Ian é um homem lindo, possui posses e fará de tudo para ajudar Sophia a voltar para a casa, (seja lá de onde ela tenha vindo) mesmo que o seu coração não queira exatamente isso.

“Eu não estou sem roupa! As pessoas se vestem assim lá onde eu vivo. Para de dizer que estou pelada! – Era constrangedor ver que minhas roupas (ou falta delas) o deixavam tão pertubado“.

perdida, carina rissi, beleza de livros, eu amo ler, resenha

É claro que Sophia não fala que veio do futuro, até porque ninguém acreditaria nisso né gente! E nesse outro século ela precisa lidar com costumes que ela jamais imaginaria. Imagina se o seu banheiro fosse uma casinha pequena, com um buraco e precisasse limpar sua bunda com alface. Isso é nojento, mas é uma das coisas que existiam naquele tempo. É super engraçado e mágico a precisão que Carina Rissi consegue transmitir cada detalhe através das palavras.

“Até as crianças que eu vi pareciam ter saído de um quadro antigo, usando roupas demais se comparadas com as do meu mundo”.

A cada momento interessante que Sophia se encontra com Ian é enviado uma mensagem naquele celular que a transportou para o século dezenove. Mensagens que informam que ela passou de nível ou algo assim. O mais louco é que ela começa a gostar de Ian. O cara lindo e maravilhoso que sempre a está ajudando, e sempre que está perto dela a deixa sem fôlego.

 “Não que eu estivesse apaixonada por Ian. Eu não estava! Mal o conhecia!Mas alguma coisa nele mexia comigo. Uma coisa que eu não sabia explicar nem para mim mesma!”.

Quanto mais se aproxima de Ian, mais sua jornada para aquele século parece estar acabando. A sua vontade de voltar para a metrópoles parece menos firme do que antes. E seu coração parece mais próximo de Ian. Ah! Queridos leitores! A pessoa que levou Sophia para o século passado deixou claro que ela precisaria completar sua jornada. Mas o que ela pode fazer para impedir que os níveis de sua jornada continue avançando para ficar mais tempo com Ian?

“Ele tinha razão. Existia um nós -eu não sabia desde quando,mas existia! E era forte! Tão forte que, talvez, me quebraria em duas quando voltasse para casa. E eu sabia que voltaria, sentia que voltaria. E meu coração se despedaçaria”.

Sophia e Ian é o tipo de casal mais lindo que já vi nos livros e a cada cena eu me apaixonava mais… mais… e mais. Não existe no mundo casal mais perfeito que eles, e olha que eu já li muitos livros. A conexão do amor  que existe entre eles é capaz de ultrapassar até mesmo as barreiras do tempo. Eu li esse livro, chorei um bocado até meus olhos incharem.

Foi um final épico de novela das 09! Carina Rissi obrigada por existir, obrigada por criar personagens tão reais e situações tão semelhantes a nossa vida. Eu amei perdida e fiquei perdidamente apaixonada por todos os personagens.  Valeu por escrever mais livros e continuar essa série que indubitavelmente é uma das melhores!

“Estava exatamente onde deveria estar, pensei com tristeza. Ela havia dito isso, que eu estava onde deveria estar. E, sem poder esclarecer nem para mim mesma, eu soube que havia chegado ao fim da jornada”.

 

 

Resenha|Fuck Love (Louco Amor) – Tarryn Fisher

                                                                                     Sinopse

fuck love, tarryn fisher, louco amor, beleza de livros, resenha, belezadelivros, mylena fernanda, faro editorialHelena Conway se apaixonou.

Contra sua vontade. Perdidamente. Mas não sem motivo.

Kit Isley é o oposto dela – desencanado, espontâneo, alguém diferente de todos os homens que conheceu.

Ele parece o seu complemento. Poderia ser tão perfeito… se Kit não fosse o namorado da sua melhor amiga.

Helena deve desafiar seu coração, fazer a coisa certa e pensar nos outros. Mas ela não o faz…

“Tentar se afastar da pessoa amada é como tentar se afogar. Você decide fugir da vida, pulando na água, mas vai contra a natureza não buscar o ar. Seu corpo clama por oxigênio; sua mente insiste que você precisa de ar. Então você acaba subindo à superfície, arfando, incapaz de negar a si mesma essa necessidade básica de ar. De amor. De desejo ardente.”

Você pode pensar que já viu histórias parecidas, mas nunca tão genuínas como essa. Tarryn, a escritora apaixonada por personagens reais, heroínas imperfeitas, mais uma vez entrega algo forte, pulsante, que nos faz sofrer mas também nos vicia. Depois dela, todas as outras histórias começam a parecer como contos de fadas.

Se você não quer se viciar, não leia a primeira página.


Olá leitores lindos e maravilhosos! Tudo beleza com vocês? Eu estou pensativa depois de finalizar a leitura de Fuck Love, obra de Tarryn Fisher, uma autora que ou você ama ou odeia. Se bem que ás vezes, você pode sentir os dois kkkk. Ela tem o grande talento de criar personagens reais até demais e situações que você pensa ” Cara que loucura! Isso pode acontecer comigo!

Fuck Love não é diferente, afinal, imagina se você se apaixonasse perdidamente pelo namorado da sua melhor amiga. O que você faria? Helena Conway fica desesperada a notar que sente alguma coisa por Kity Isley após um sonho louco onde eram casados, possuíam família e eram muito felizes. Agora o que ela faz se tudo isso não se passou de um sonho? Tudo que era para ficar apenas na sua cabeça, ela passa a sentir toda vez que estão perto dele, mas seria pior se ele sentisse o mesmo não concordam?

“Depois que ele se vai, olho-me no espelho e percebo que há ovo em meu cabelo. Como se não bastasse, constato que não estou tão gata quanto imaginava. Nem perto disso, aliás”.

Helena é uma personagem desastrada e um pouco atrapalhada mas que me divertiu bastante, a autora soube desenvolver a história de forma que não pensássemos “ela está traindo a amiga”, até porque nada acontece até que os pontos do “I” tenham se ajustado. Momentos especiais que Kity  passar com Helena fará ele olhar para ela com outros olhos, mas o que ele pode fazer se ela é melhor amiga da sua namorada né.

“Percebo que estou vulnerável, e quase sempre me sinto como uma mulher insignificante -alguém que um homem pode trair e depois alegar que cometeu um erro. Não quero ser ” a garota que deixou o cara”, quero ser “a garota que o cara jamais deixaria ir embora”.

fuck love, louco amor, beleza de livros, resenhas, mylena fernanda, editora faro editorial, tarryn fisher, belezadelivros

Kity é um cara que me tirou do sério ao longo da leitura, eu percebia que ele gostava de Helena, mas não admitia os seus sentimentos. Eu fiquei com muita raiva dele, mas entendia que ele não queria magoar sua namorada Della. O pior de tudo isso, foi a própria namorada perceber a atração mútua existente entre eles, mas não querer perdê-lo. Isso me lembra tantos relacionamentos abusivos onde a pessoa faz até o inimaginável para não perder o cara que ama.

“Esse é o lado ruim de ser jovem. Você não faz ideia de todas as mudanças que estão por vir. E quando elas enfim, chegam, não importa o quanto as pessoas o tenham avisado, você de fato fica surpreso”.

Helena considera mais importante sua amizade com Della do que ficar com Kitty, e isso é lindo, colocar os amigos em primeiro lugar, mas nem sempre o que queremos é o que será. O que fazer quando se ama o namorado da sua melhor amiga, e seu próprio namorado a traiu de maneira sórdida. O melhor a dizer é Foda-se o amor!

“Se pudessem ver o que se passa no meu coração, elas entenderiam o motivo da minha maquiagem estar toda borrada”.

Tarryn Fisher arrasou e arrebatou o meu coração criando personagens tão reais que sinto que eles existem. Essa diva abordou temas como família, amizade, juventude e relacionamentos de uma maneira que cativou minha total atenção. Esse livro me ensinou que ás vezes você pode pensar todo um futuro, formar uma casa com muitos tijolinhos, mas isso também pode ser destruído e a vida pode fazer outros planos para você. Recomendo!

“Eu deveria mostrar lealdade a ela, afinal, as amigas devem vir em primeiro lugar. Mas será que essas regras sagradas conseguem sobreviver a realidade?”.