Resenha|Mas tem que ser mesmo para sempre? (Sophie Kinsella)

                                            Sinopse

sophie kinsella, mas tem que ser mesmo para sempre? resenhas, livro, resenha, beleza de livros

Juntos há dez anos, Sylvie e Dan compartilham todas as características de uma vida feliz: uma bela casa, bons empregos, duas filhas lindas, além de um relacionamento tão simbiótico que eles nem chegam a completar suas frases – um sempre termina a fala do outro.

No entanto, quando os dois vão ao médico um dia, ouvem que sua saúde é tão boa que provavelmente vão viver mais uns 68 anos juntos… e é aí que o pânico se instala. Eles nunca imaginaram que o “até que a morte nos separe” pudesse significar sete décadas de convivência.

Em nome da sobrevivência do casamento, eles rapidamente bolam um plano para manter acesa a chama da paixão: de um jeito criativo e dinâmico, passam a fazer pequenas surpresas mútuas, a fim de que seus anos (extras) juntos nunca se tornem um tédio.

Porém, assim que o Projeto Surpresa é colocado em prática, contratempos acontecem e segredos vêm à tona, o que ameaça sua relação aparentemente inabalável. Quando um escândalo do passado é revelado e algumas importantes verdades não ditas são questionadas, os dois – que antes tinhas certeza de se conhecerem melhor do que ninguém – começam a se perguntar: Quem é essa pessoa de verdade?…”.

Um livro espirituoso e emocionante que esmiúça os meandros do casamento e que demonstra como aqueles que amamos e achamos que conhecemos muito bem são os que mais podem nos surpreender.


Dan e Sylvie possuem um relacionamento perfeito, muito perfeito mesmo. Eles são um Casal com “C MAIÚSCULO”, é impressionante a forma como eles simplesmente sabem o que o outro está pensando.

Eles apostam coisas no restaurante como, eu sei o que você vai pedir e praticamente acertam o que o outro escolheu. Eles falam frases juntos, é previsível o que o outro vai fazer, pois já possuem 10 anos de casamento. Então após irem ao médico e descobrir que estão ótimos de saúde, ficam obviamente felizes, até o querido e maravilhoso médico dizer que possuem genes tão bons, que podem viver juntos pelo menos ainda 68 anos ao lado do outro.

Isso é algo bom não é? Claro! Porém isso começa a afligir suas mentes e eles ficam completamente apavorados, pois NINGUÉM se casa, pensando que vai ficar realmente junto pelo resto da vida com outra pessoa, até possuir cabelos brancos, pele enrugada, perder os dentes… E o principal, eles começam a pensar que a vida vai ficar “chata” e para evitar isso decidem fazer surpresas para o outro.

sophie kinsella, mas tem que ser mesmo para sempre?, resenhas, livro, resenha, beleza de livro, beleza de livros, mas tem que ser mesmo para sempre

O que era para ser algo bom, começa a ficar muito estranho. Sylvie vai começar a  desconfiar de Dan, quando ele começar a receber muitas ligações, ficar estressado demais, “raivoso”, com as mesmas desculpas que “não é nada”. Isso é algo que nunca aconteceu no relacionamento deles, desconfiança, traição, insegurança e agora não ter idéia do que Dan está pensando.

Sylvie desconfia de Dan e vai atrás da verdade. O que será que Dan esconde dentro de uma gaveta trancada a “sete chaves”? Uma gaveta que ela nunca tinha visto! E ela descobre. A verdade pessoal é de tirar o fôlego, juntos choramos pelo casal, torcemos, gritamos e rimos muito. Sophie Kinsella eu amei conhecer essa obra maravilhosa e ter me sentido parte desse casal que estará sempre comigo e ganhou uma parte do meu coração.

Dan e Sylvie foram personagens incríveis que me fizeram sentir muita raiva, tristeza, euforia, alegria, simpatia e carinho. A autora nos mostrou a importância do amor eterno, a lealdade entre si e a confiança.

Eu estou sem palavras, para dizer o quanto estou apaixonada por esse livro. Amei!

E sim pessoal. VOCÊS DEVEM LER. É aquele tipo de livro que mesmo depois de anos, você ainda se lembra.

Já leu esse livro ou pretende ler? Comente abaixo!!!!

Frases

“Nós dividimos nossa vida em década. Em cada década fazemos algo diferente e legal. Conquistamos coisas. Nos superamos. Tipo, que tal se, por uma década inteira, a gente só se falasse em italiano?”.

“Ele parece fechado em sua pequena bolha, perdido em pensamentos e até mesmo agressivo”.

“Eu costumava pensar que nosso casamento era uma entidade sólida. Firme e densa, com talvez somente uma ou outra falha sísmica.

Más será que essas falhas sísmicas são maiores do que eu pensava?” 

“Amar é achar uma pessoa infinitamente fascinante”.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s